Não Obstante #10 – A questão da morte em Montaigne

Olá designófilos!

Chegamos ao décimo episódio do Não Obstante, contando mais uma vez com Felipe Ayres na edição e com a arte de Marcos Beccari na vitrine. Neste programa, Marcos Beccari entrevista Lúcio Vaz sobre seu livro A simulação da morte: versão e aversão em Montaigne (Perspectiva, 2011). Lúcio Vaz é doutor em filosofia pela UFMG, professor da Universidade do Estado do Amapá, atuando principalmente nos seguintes temas: suicídio, morte e ética.

O livro em questão é uma análise focada no problema da morte nos Ensaios de Montaigne. O argumento é pautado no fato de que Montaigne elaborou, em momentos distintos de sua vida, duas estratégias opostas para a lida com a morte: primeiro o método da simulação imaginativa, depois a predisposição natural de não temer a morte. A questão levantada por Lúcio Vaz, portanto, diz respeito a que conduta podemos seguir, com base em Montaigne, diante da certeza absoluta do fato da morte, de um lado, e a absoluta incognoscibilidade da experiência do morrer, de outro.

Aviso: durante a gravação, a conexão do Skype estava problemática, comprometendo a fala do entrevistado em alguns momentos, nos desculpem!

Faça download do episódio aqui
>> 0h03min22seg Pauta Principal
>> 1h15min15seg Música de encerramento: “Thule”, da banda The Album Leaf.

Links

O Não Obstante é uma produção conjunta do Filosofia do Design e do Anticast.

Deixe uma resposta


dois + três =