Posts taggeados com ‘assimilação’

Arte e Design: articulações de um mesmo gesto

* texto originalmente publicado na edição #52 da Revista abcDesignImagens de Jacob van Loon.

Como se sabe, a mera menção à arte costuma suscitar polêmica no campo do design. Embora a relação entre artistas e designers tenha sido sempre estreita ao longo da história, certa distinção foi requerida desde a Bauhaus, cujo manifesto inicial convocava os artistas a construírem finalmente uma “arte aplicada à indústria”, uma arte a serviço da sociedade. Entre os designers gráficos, por sua vez, o que ainda se admite é, nos termos do designer nova-iorquino Paul Rand, o design como sendo “arte comercial”.

Em ambos os casos, pressupõe-se claramente que a arte seja algo não-comercial, algo não-industrial e cujo compromisso é alheio aos problemas cotidianos. O design, em contrapartida, estaria a serviço do “mundo concreto”, das necessidades comerciais e das convenções sociais. Leia mais…»

Ideologia: não queira uma para viver

* Pinturas de Alex Kanevsky ilustrando o post.

A questão que levanto aqui é de inspiração humeniana: “ideologia” será sempre um termo acrescentado que, no limite, pode qualificar um fenômeno social tão bem (isto é, tão pouco) quanto um ser alienígena. Hume pensava em termos empíricos: entendendo por “causa” o princípio de uma sucessão de acontecimentos, não haveria uma ideia forçosamente acrescentada quanto a uma sucessão necessária? Pensemos em termos éticos: em que medida uma conduta crítico-engajada opõe-se ao conformismo e à resignação que esta mesma conduta acrescenta a tudo que se lhe opõe?

Tenho ponderado nesse sentido em relação ao niilismo, às crenças religiosas, ao ascetismo: são condutas igualmente válidas, tanto quanto inválidas. Do mesmo modo, cada vez mais não vejo grandes problemas no conformismo/resignação – o que não implica, todavia, defender tais condutas como “certas”. A objeção mais comum é a de que este tipo de raciocínio vai em direção a um tudo-vale, não importa o quê, anulando-se por contradição. Entretanto, percebe-se facilmente em tal objeção uma exigência por certa “coerência” que é acrescentada de antemão, isto é, ideologicamente. Leia mais…»