Posts taggeados com ‘idealismo’

Não Obstante #6 – As bestas dentro de nós

Escute o podcast…»

A maior dificuldade do cínico é esconder dos outros a própria ideologia. A maior dificuldade do idealista, por outro lado, é continuar expondo o que pensa e jamais deixar transparecer a amargura do próprio cinismo

2711789618_7f6cee3778_oAconteceu: naquela fatídica tarde de outubro, a máquina do tempo apareceu, em meio a relâmpagos e trovoadas, no escritório da equipe de pesquisa e investigação do continuum espaço-tempo. Estupefatos, os cientistas largaram as canetas e pranchetas em cima da mesa e aproximaram-se lentamente do artefato, que ainda fumegava e disparava faíscas de uma antena em seu topo.

No fundo, o evento era esperado. Reza o paradoxo que, se houver alguma maneira de viajar no tempo, basta que esperemos até que um visitante do futuro apareça para nos ensinar a fórmula, visto que as condições tecnológicas serão muito mais avançadas. Perder tempo (!) com isso, hoje, é desnecessário: no futuro, teremos tempo (!!) e recursos para conduzir pesquisas mais eficazes e assim poderemos voltar no tempo (!!!) para ensinar os humanos do passado a viajar no tempo antes (!!!!) e assim ganhar mais tempo (!!!!!) ainda. Leia mais…

A “felicidade” contra o realismo

executivo-felizO romance Bliss, do escritor australiano Peter Carey, conta a história de Harry Joy, um burguês bem-sucedido que está feliz com a sua vida e cuja maior qualidade é “ser um cara legal”. Suas ambições relativamente simples, sua posição social confortável e sua grande estima pelo bem-estar estimulavam e eram estimuladas por uma visão bem pouco crítica do mundo à sua volta. Assim, ele enxergava tudo através de lentes róseas idealizantes. Um belo dia, Harry tem um infarto. Uma experiência extracorpórea no momento do colapso lhe incute a certeza de que está morto. Porém, quando ele acorda, o mundo diante dos seus olhos não parece, inicialmente, tão diferente assim do mundo no qual ele antes vivia. Confuso, Harry se vê compelido a lançar ao mundo no qual se encontra um olhar extremamente questionador, atento e desconfiado, de modo a descobrir se está no inferno, no céu, ou novamente no mundo dos vivos. Sob este novo olhar perscrutador, as coisas se apresentam para ele de maneira diferente: seu filho, exemplo de perfeição e virtude, que sonhava em entrar para a faculdade de medicina, foi “substituído”, neste novo mundo, por um garoto muito parecido, mas que só pensa em dinheiro e trafica drogas na escola; sua “nova” mulher o trai e se ressente de sua posição social; o “novo” garçom de seu restaurante predileto não se porta mais de maneira tão amigável etc. Harry conclui, finalmente, que está no inferno. Leia mais…»