Posts taggeados com ‘inovação’

Hoje é dia de quem mesmo?

* Este texto é uma contribuição de Douglas Cavendish – pesquisador no Grupo de Ensino, Pesquisas e Extensão em Tecnologias e Ciência (GEPETEC) da Universidade Federal de Itajubá.

Há 17 anos atrás, no dia 19/10/1998, Fernando Henrique Cardoso (então presidente do Brasil) por decreto presidencial [1], instituía o dia 05 de novembro de cada ano como “dia nacional do design”. Um dia que passaria a ser motivo de celebração para uma casta de profissionais que estava em pleno desenvolvimento e que buscava um local seguro ante um mercado já disputado por profissionais de áreas correlatas, como engenharia, arquitetura, artes plásticas e marketing. Leia mais…»

Dilemas do design I: o não-estar

* texto originalmente publicado na Revista Clichê.

Tudo o que atualmente se pretende marginal, irracional, revoltado, “anti-arte”, anti-design, etc., desde o pop ao psicodélico e à arte na rua, tudo isso obedece, quer queira quer não, à mesma economia do signo. Tudo isso é design. Nada escapa ao design: eis a sua fatalidade. – Jean Baudrillard em Para uma crítica da Economia: Política do signo (Rio de Janeiro: Elfos, 1995, p. 206).

Uma das maiores contradições do design, ao menos no Brasil, reside no fato de que a crescente propagação/repercussão da ideia de “design” parece ser inversamente proporcional à valorização da mesma. Mesmo com certa “regulamen-tação” pré-aprovada, o hipsterismo implícito em nossa postura profissional (não sou designer de sobrancelhas, o povo banalizou etc.) não passa de um placebo que, ao invés de gerar valor, apenas nos reduz a panelinhas descartáveis no mercado. Leia mais…»

Filosofia do Design, parte LXXII – Design Thinking

Design Thinking está tão na moda que já não é nenhuma novidade. Na década de 1980, alguns autores como Bruce Archer, Bryan Lawson e Peter Rowe propuseram uma “maneira designer” de pensar e de comunicar como alternativa a métodos científicos e acadêmicos, mas que poderia ser tão poderosa quanto quando aplicada aos seus próprios problemas.

Moral da história: a visão de que o designer é capaz de liderar uma empresa voltada à inovação, tipo IDEO, com uma pitada do discurso de Tim Brown (TED) ou de Steve Jobs (em Stanford).

A pergunta que deve ser feita hoje não é mais “como pensam os designers?”, mas o contrário: como o design tem sido pensado? O que as pessoas em geral, depois de 30 anos de design thinking, pensam sobre design? Será que o designer finalmente conquistou a insígnia do profissional plenamente capacitado a enfrentar jogos de poder, estratégias econômicas ou mesmo seus próprios clientes? Leia mais…»

Você é original? Então também é possessivo

*Este texto é uma contribuição de Mariana Fonseca — possui graduação em Design de Móveis pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e atualmente é aluna do programa de Mestrado em Design da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Fonte: http://www.focusonlinecommunities.com

Murray (2011) fala que o conceito de originalidade tem suas raízes na idéia de posse. Isso porque com a instauração do livre comércio, lá no final do Renascimento os fabricantes, comerciantes, distribuidores, autores viram a necessidade de diferenciar seus produtos, aumentar a competitividade e no fim das contas vender mais. Inventaram então a originalidade, ou seja camuflaram o processo criativo para que não se soubesse a real origem da idéia, e instauraram uma série de proteções amparadas pela lei, criminalizando então a copia. Leia mais…»

Filosofia do Design, parte XLI – Design e Inovação

* texto originalmente publicado no Design Simples.

Muita gente tem pesquisado e publicado teorias/métodos/técnicas sobre Inovação. No entanto, como a grande maioria das coisas que eu li foram entediantes e nada inovadoras, escrevi este ensaio falando sobre Heurística, os paradigmas de Kuhn e a intuição dialógica de Edgar Morin. Contudo, decidi ser inovador comigo mesmo e apaguei tudo o que escrevi. Porque eu também sou designer, já passei noites em claro esperando por uma inspiração divina, e não importa quanta teoria filosófica eu tenha estudado, esta busca pela inovação sempre foi uma dificuldade para mim.

O engraçado é que as ideias em potencial me aparecem nas situações mais supérfluas – na novela das nove, na fila do banco, no bate papo com os amigos, etc. O difícil é conseguir anotar ou lembrar depois. Certa vez me disseram que a inovação surge com prática, experiência e disciplina. Pois bem, ainda não sei o que é isso (se é que um dia vou saber). O que eu desconfio é que não há nada de universal e sistematizado que possa produzir algo inovador. A noção de regras e costumes antigos pode bloquear a atualidade essencial da novidade, atualidade esta que nos motiva a continuar inovando. Não significa que hábitos antigos devem ser ignorados, mas apenas que não devemos nos restringir a eles. Leia mais…»