Posts taggeados com ‘Mal’

Moral e livre-arbítrio em Nietzsche

fuseli-4874408* Ilustram o post telas e desenhos do pintor Henry Fuseli

Nesta verdadeira mina de ouro que é a obra de Nietzsche, a investigação da moral ocupa um lugar de destaque. O olhar de suspeita que Nietzsche lança sobre a moral — essa forma de olhar que ele inaugura — é, parece-me, o grande legado que ele nos deixa. Nietzsche busca, em suas próprias palavras, “questionar impiedosamente e conduzir ao tribunal os sentimentos de abnegação, de sacrifício em favor do próximo, toda a moral da renúncia de si [...]” (Além do bem e do mal, § 33). O que não significa, é claro, que os sentimentos de prazer, bem-estar, felicidade, abundância, conexão com a natureza, saúde, paz de espírito, sucesso etc., valorizados por outras morais, não devam ser igualmente conduzidos ao tribunal.

O objetivo de tal questionamento não é chegar a uma única explicação que revele a (suposta) Verdade dos sentimentos e dos valores morais, mas sim compreender o trabalho de criação dos ideais que promovem tais sentimentos, e as dinâmicas de sua preservação e proliferação. Essa é a proposta genealógica de Nietzsche: procurar não uma grande origem, mas os conflitos de forças a partir dos quais os ideais emergem. Leia mais…»

Designotopia 2: sobre design e “melhoramento” do mundo

Brocolli-Forest* Este texto é uma versão modificada de parte da minha palestra “designotopia: projetando redenções”, proferida no N design sp 2015. As imagens que ilustram o post são de Carl Warner, e foram retiradas de www.carlwarner.com.

Uma coisa que sempre me intrigou no design foi a sua vocação messiânica. Uma das grandes obsessões dos designers é “melhorar o mundo”, uma espécie de eufemismo para “salvar o mundo”. Lembro que, após terminar a faculdade, eu participei de um curso de empreendendorismo no qual a primeira atividade proposta aos alunos era oferecer uma resposta para a pergunta: qual o seu plano para melhorar o mundo? Esse é apenas um exemplo pessoal, mas é fácil verificar que a expressão “melhorar o mundo”, ou suas variantes, aparecem frequentemente em palestras ou textos “engajados” de designers, seja exaltando o chamado “design social”, o design sustentável ou o design voltado para supostas “reais necessidades” do mundo ou da humanidade…

Quanto a mim, sempre que escuto ou leio essa expressão, lembro-me de um capítulo do Crepúsculo dos ídolos, de Nietzsche, que se intitula “Os melhoradores da humanidade”. Essa lembrança, claro, não é meramente casual. Parece-me, com efeito, que a percepção nietzschiana do que geralmente significa “melhorar” a humanidade ou o mundo é um dos pontos de partida mais interessante para refletirmos sobre o “melhoramento” do mundo que costuma ser vinculado ao design. Leia mais…»

Retorno à natureza: um novo ideal?

promised-land-waterfallO ideal de retorno à natureza está longe de ser novo e podemos traçar seus ecos nos mais diversos lugares. Até mesmo, por exemplo, em algumas lendas de Robin Hood, protagonista do meu último post. Tudo bem que ele foi para a floresta fugindo de poderosos corruptos, e portanto, em parte, contra sua vontade. Ainda assim, não faltam autores que idealizam a floresta de Sherwood como uma terra da eterna primavera onde a vida é simples e boa. Outro exemplo óbvio é a terra prometida do antigo testamento com fontes que jorram leite e mel; e também o imaginário relacionado às Américas na época das navegações, e mesmo depois. Para quem já pensou sobre o tema, pouco espanta o fato de o continente ter virado uma segunda terra prometida no Livro dos Mórmons. Atualmente, também não faltam representações da natureza como lugar da beleza e da vida autêntica e plena – e, é claro, não me refiro apenas às peças publicitárias de ecoturismo que têm um motivo bem palpável para exaltar a natureza. Entretanto, mesmo no caso delas, tal exaltação pareceria vazia e bizarra se não se harmonizasse com ideais em voga. Leia mais…»