Posts taggeados com ‘Nike’

Nenhum armário de remédios hoje está completo sem uma cartela de pílulas de subversão para manter funcionando nossas glândulas conspiratórias

6075387388_6514c84ca1_zA descoberta científica mais impressionante feita pelo Instituto de Pesquisa e Entendimento Absolutos (IPEA) dos últimos meses parte de um cruzamento de dados jamais imaginado pelas pessoas comuns do resto do país. O professor responsável pelo levantamento das entrevistas, o renomado p.H.D. Cleysson Mendes, satisfaz-se em um visível sorriso na hora de explicar os pormenores do procedimento, da detecção do problema à dedução de sua causa com base no método:

“2014 teve um primeiro semestre marcado pela formação dos famosos ‘grupos de justiceiros’ pelo país. Jovens que saíam pela rua à noite amarrando bandidos em postes e ensinando os criminosos a se comportarem como cidadãos ‘de bem’, metendo-lhes o cacete” comenta Cleysson, em entrevista ao Jornal Nacional. “Como os membros do instituto foram rápidos em perceber, um fato insólito desenrolou-se em paralelo. Veja, a edição de número 14 do Big Brother Brasil teve a menor audiência da história. No geral, as pessoas estão assistindo menos televisão, trocando o tempo gasto em frente ao aparelho televisivo pelo tempo gasto em frente a outros aparelhos: internet, celulares.”

Leia mais…

Grandeza é uma questão de design?

GRANDEZA-61-652x362Faz tempo que penso em escrever sobre a campanha “find your greatness“, da Nike, que circulou por diversos países em 2012. No Brasil, o slogan foi traduzido como  “encontre sua grandeza” (para traduzir greatness, melhor seria utilizar os termos “grandiosidade” ou “magnificência”, mas vou utilizar o termo “grandeza”, para evitar confusões). A campanha inclui diversos vídeos e peças estáticas, a maioria com mensagens que sugerem, direta ou indiretamente, que a grandeza pode ser atingida por qualquer pessoa que tenha força de vontade e dedicação. A mais marcante delas é a que aparece ao lado: “grandeza não precisa de sorte, só de suor”. Descreverei com mais detalhes algumas das peças adiante. O que me interessa mais particularmente, entretanto, não é a campanha em si, mas os pressupostos culturais que oferecem as condições para que tal campanha exista e apareça como relevante, interessante e impactante.

O primeiro ponto a se observar é que ela é relevante porque assume uma posição radical a respeito de uma das questões mais fundamentais para a cultura ocidental: em que medida podemos controlar nosso destino? Não é difícil observar, por exemplo, como essa questão permeia as tragédias gregas que mostram a impotência do protagonista frente a seu destino. Mas é na tradição cristã que tal questão parece ser o centro das mais importantes tensões, uma vez que “destino” agora envolve toda uma eternidade — danada ou gloriosa. Seríamos responsáveis por nossa salvação? Leia mais…»