Posts taggeados com ‘percepção’

Fragmentos filosóficos #17 – J. Crary e o problema da atenção

Este é o décimo sétimo de nossos Fragmentos filosóficos, uma série composta por trechos selecionados e comentados (sob a curadoria de Marcos Beccari e Daniel B. Portugal), com a proposta de apresentar filósofos em suas próprias palavras. O trecho abaixo foi retirado do livro Suspensões da percepção: atenção, espetáculo e cultura moderna (São Paulo: Cosac Naify, 2013, p. 74-75), de Jonathan Crary. Seleção e comentários de Marcos Beccari.

Se a distração surge como problema no final do século XIX, isso ocorre de maneira inseparável da construção paralela, em vários campos, do observador atento. Embora Benjamin faça afirmações positivas sobre a distração em alguns de seus trabalhos [...], ele sempre pressupunha uma dualidade fundamental, em que a contemplação absorta, purificada dos estímulos excessivos da modernidade, era o outro termo. [...] Em vez disso, argumento que atenção e distração não podem ser pensadas fora de um continuum no qual as duas fluem incessantemente de uma para a outra, como parte de um campo social em que os mesmos imperativos e forças incitam ambas. Leia mais…»

O Capitalismo Artista e a Estetização do Mundo em Lipovetsky : Uma Introdução


a-indstria-cultural-e-o-consumismo-6-638É sabido que o capitalismo não possui a melhor das reputações, mesmo dentre aqueles que se beneficiam do mesmo. Em plena era da informação, resta consolidada a noção geral de que existe algo errado na rotina dos processos de execução do sistema econômico e de consumo atual. Muito embora a quase totalidade dos atores sociais sequer questione o próprio engajamento no mesmo sistema, há um desconforto latente, transversal a tudo e a todos, enquanto o planeta se esgota em sua capacidade de fornecimento de insumos. Mesmo com a constatação empírica de que a única alternativa ao modelo globalmente implementado de produção e consumo vigente tenha falido, ainda assim é óbvio o sentimento de inadequação, em face do aprofundamento da concentração de renda e exaustão de recursos naturais . Partindo dessas observações, Lipovetsky, em parceria com Jean Serroy, nos traz uma fotografia de como, em uma perspectiva histórica, o capitalismo procura se reinventar, mais uma vez, buscando retocar sua imagem de sistema deletério para a humanidade como um todo. Em “A Estetização do Mundo – Viver na Era do Capitalismo Artista – Companhia das Letras, 2015”, os autores ampliam o entendimento de que a reinvenção capitalista é nova forma para velho conteúdo. O capitalismo se apresenta de cara nova, para permanecer o mesmo, trazendo progressivamente para dentro de si características que até o final do século XIX se mostravam antagônicas ao modelo. “Plus ça change, plus c’est la même chose”.
Leia mais…

Demócrito, a Filosofia Marginal e o Mercado da Transcendência

belgium-coypel-antoine-democritus

E se o Homem não for a dualidade corpo e alma ? E se o binômio mundo sensível e mundo inteligível for apenas a construção socrático-platônica da existência ? Res Cogitans e Res Extensa sendo tão somente a elaboração de um método de interpretação, do encaixe do indivíduo no mundo ? Imagine se tudo é como só poderia ser, sem alternativas deliberativas ou livre arbítrio. Se o imaterial só for possível na construção de uma crença. Seria o pensamento, algo originado em meio a átomos e vazio, em uma perspectiva restrita à matéria ? Questão levantada por Demócrito. Contemporâneo de Platão, relegado a um papel secundário, na história da filosofia. O que justificaria tal desprezo por uma teoria ? Em que medida, a simplificação das justificativas pelas quais o Homem busca explicar a sua estada transitória no mundo, é algo desinteressante, sobretudo do ponto de vista econômico ?  Leia mais…

Os Tempos da Alma e o Tempo do Mundo : A opção pela reconciliação com o real

capa-2Tempo. Noção do encadeamento dos acontecimentos na materialidade do mundo. Intuição que não se permite traduzir em discurso. Presente. O que deixa de ser a cada instante. Passado. O que não é mais. Futuro. O que ainda não é. Vistos em conjunto, passado, presente e futuro não são. Entre o tempo do mundo, cronológico, irrefreável, e a nossa temporalidade própria, decorrência de um atributo psiquico, ora um ou outro nos governa, conforme a possibilidade de haver ou não, discernimento sobre o que pertence ao  mundo ou à idealidade.

Uma coisa é agora clara e transparente: não existem coisas futuras nem passadas; nem se pode dizer com propriedade: há três tempos, o passado, o presente e o futuro; mas talvez se pudesse dizer com propriedade: há três tempos, o presente respeitante às coisas passadas, o presente respeitante às coisas presentes, o presente respeitante às coisas futuras. Existem na minha alma estas três espécies de tempo e não as vejo em outro lugar: memória presente respeitante às coisas passadas, visão presente respeitante às coisas presentes, expectação presente respeitante às coisas futuras. Se me permitem dizê-lo, vejo e afirmo três tempos, são três. Diga-se também: os tempos são três, passado, presente e futuro, tal como abusivamente se costuma dizer; diga-se. Pela minha parte, eu não me importo, nem me oponho, nem critico, contanto que se entenda o que se diz: que não existe agora aquilo que está para vir nem aquilo que passou. Poucas são as coisas que exprimimos com propriedade, muitas as que referimos sem propriedade, mas entende-se o que queremos dizer (Agostinho. As Confissões. Lisboa: Imprensa Nacional / Casa da Moeda, 2001, p. 117 [XX, 26]).

Leia mais…

Refrações #001 – A hiper-realidade, as simulações e o simulacro de Jean Baudrillard

coverfdd_001_baudrillard

Imagem original: Brett Walker

Escute o podcast…»

O Óbvio é o Reflexo do Invisível

Minha intenção é só dizer coisas óbvias. Sempre a evidência mais banal. Porque o significado mais profundo – aliás, o único significado possível às coisas, reside justamente na obviedade. Mesmo isso é óbvio e fácil de argumentar – quando um filósofo ou cientista passa anos investigando um problema, e de repente o descobre, bate com a mão na testa e diz “mas é óbvio! Como é que eu não tinha visto isso antes, estava na minha frente” (lembrem-se do famoso “Eureka” de Arquimedes). Não tinha visto porque estava diante do seu nariz: e é justamente aí o único lugar que nós não podemos ver.

Sofremos, enquanto espécie, uma triste contingência: o olho humano é cego. O aparelho visual, enquanto sistema, pode muito bem funcionar perfeitamente – se o cérebro não fizer a devida correspondência de decodificação das sensações luminosas recebidas pela retina, tudo passa em branco. Ou em preto: não enxergamos nada. O caso clássico é a cegueira psicossomática (abordada de maneira genial em Dirigindo no Escuro [2001], de Woody Allen). Seu olho funciona, mas você não enxerga nada, porque há um bloqueio inconsciente; um caso particular e não raro de histeria. Leia mais…

Porque esses movimentos são habituais e inconscientes, eu não conseguia lembrar e achava que fosse impossível fazê-lo

ou Design e Estranhamento: Parte I

Imagine essa cena: você está andando na rua, ouvindo sua música preferida pelo seu dispositivo portátil, quando chega ao seu ouvido o refrão sendo tocado cronologicamente invertido. Isso, com certeza, não é algo que você esperava e, mais que automaticamente, você vai achar que o seu dispositivo está quebrado e tira-o do bolso para verificar. Não, normal. A música continua tocando invertida, mas as teclas não funcionam e você analisa cuidadosamente seu dispositivo para achar um diminuto botão de reset.

tumblr_mk5i0em0Ku1qc0cxpo1_500 Leia mais…

Estética: “ilha reflexiva” ou viés filosófico? E o design com isso?

* Este texto é uma contribuição de Tiago de Lima Castro – músico e graduando em Filosofia. Professor de violão, viola caipiria, harmonia e análise musical no Conservatório de São Caetano do Sul. Pesquisa temas como música, estética, ética, cinema, técnica e tecnologia. É membro do podcast RandomCast e é colunista do mesmo site.

Introdução

Todos são expostos a objetos que não tem uma origem meramente útil. Um carro não é somente um objeto de locomoção e transporte, mas também um objeto que reflete desejos e anseios de quem o almeja, de modo que, parafraseando Slavoj Žižek, talvez até ensine quem o deseja a propriamente desejá-lo. Esta possibilidade do design como aparência do pensamento e do desejo, torna o design um alvo de reflexão interessante tanto a quem trabalha com design como a quem somente o consome.

Uma das chaves para se refletir o design é a estética. Porém, a reflexão estética pode realizar-se como uma “ilha reflexiva”, ou seja, uma reflexão centrada nos próprios domínios da estética; ou como um campo filosófico em debate com ética, política, ontologia, entre outros. Leia mais…»

Debate FdD: design, uma experiência imediata ou mediada?

Após refletirmos sobre o capacete dos kamikazes e o significado do ato de chorar, chegamos ao terceiro post-coletivo com uma questão levantada pelo Beccari. Confira abaixo a pergunta proposta e as respostas, começando com as de nossos colaboradores fixos (Bolívar Escobar, Eduardo Souza e Thiago Dantas), seguidas das de Marcio Rocha Pereira e de Marcos Beccari.

Quando um rato tem acesso a uma alavanca que manda impulsos elétricos a um eletrodo implantado em seu cérebro, ele vai pressionar a alavanca repetidamente até cair de exaustão, abstendo-se de comida e sexo. Ou seja, o rato literalmente fode com seu próprio cérebro. Eu queria ter inventado isso, mas trata-se de um experimento bastante conhecido no campo da neurologia e que geralmente serve para explicar o princípio de ação das drogas nos humanos: substâncias que promovem a estimulação direta de certos pontos de prazer em nosso cérebro. A questão é: como podemos (se é que podemos) relacionar tal experimento com o design, seja como projeto ou como objeto de consumo? De preferência em apenas um parágrafo. Leia mais…»

O designer solipsista

* texto originalmente publicado no Design Simples.

Tudo aquilo que consideramos “real” constitui apenas um irrisório grão de areia da superfície de uma enorme “casca” formada por um trabalho de aprendizado e conhecimento acumulado no decorrer de nossas vidas.

Diante disso, somos convidados a interrogar, mas sem nada pressupor, o que há por detrás desta casca. Não é a realidade, não é o mundo em si, não são os fatos – estas ideias também fazem parte da casca.

É simplesmente algo desconhecido. Leia mais…»