Posts taggeados com ‘repertório’

Mariko Mori e a Consciência Una

* Este texto é uma contribuição de Renata Chaveiro — designer de profissão e artista de alma. Passou, antes disso, pela formação em Publicidade, onde teve a certeza de que não é o backstage das agências que lhe comove, mas as origens e motivações mais profundas da atividade da Comunicação. Foi só na graduação de Design que encontrou o porquê de querer saber tantos porquês: ama a História das coisas e o mistério intrínseco à sua onipotência.

“A arte é necessária e indispensável enquanto existir o mundo da mente, que durará tanto quanto a raça humana continuar a existir. Arte é um tesouro para toda a humanidade.” – Mariko Mori [1]

Final de ano e mais ciclos terminam, trazendo reflexões e pontos de vistas distanciados que não poderiam nos ocorrer em nenhum outro momento, quanto estávamos imersos demais no frenesi cotidiano para torná-los o foco de nossos pensamentos. Devido a este momento de descanso, nossa mente relaxa e temos tempo para dedicar ao pensamento interiorizado, fazendo emergir reflexões sobre nós e sobre para onde estamos sendo levados por nossas escolhas. Finais - e recomeços – de ciclo, afinal, são alguns dos conceitos-chave dos trabalhos mais recentes de Mariko Mori. Leia mais…

Filosofia do Design, parte XLVIII – Leitura e Design

* texto originalmente publicado no Design Simples.

Sinceramente, não acredito que designers precisam ler. Eu disse isso naquela mesa-redonda sobre Leitura e Design e, neste post, tentarei esclarecer meu ponto de vista. Em primeiro lugar, refiro-me à leitura em seu sentido mais amplo – de Harry Potter à Baudelaire, de Crepúsculo à Nietzsche –, podendo ser entendida tanto como cultura quanto como mero entretenimento. Não cabe aqui distinguirmos, pois, uma boa e uma leitura. Mas estamos falando da leitura textual e não da leitura de imagens, gráficos, gestos, etc.

Os designers mais talentosos que conheço não leem mais do que dois ou três livros por mês. Eles não gostam de ler? Gostam sim, mas nosso cotidiano de trabalho desfavorece a leitura: prazos cada vez mais apertados, horas extras, clientes e chefes sem paciência, alterações de última hora, etc. Frente a isso, desconfio que o hábito de leitura não influencia diretamente na diagramação de um livro ou na modelagem 3D de uma cadeira. É óbvio, porém, que a leitura é um ótimo combustível para a criatividade, de modo indireto, contribuindo a longo prazo não apenas em nossa profissão, mas também em nossas relações e decisões. Leia mais…»